top of page
Capa 2.png

Alan Figueiredo

"Os olhos são como sensores da alma
Fitam o agora
Buscando preencher O vazio"

20201103_110410.jpg

Alan Figueiredo é Poeta e Artista Plástico desde 2007.

20201112_112139.jpg
Pedro.jpg

Pedro Henriques Vicente
IG: phenriquesvicente

O grito não é apenas um acontecimento poético. É também político. Alan Figueiredo é um Ferreira Gullar dos nossos dias . O pós -modernismo pra ele não tem segredos. Na verdade o pós-modernismo tem medo de Alan FIgueiredo. A sua erudição inequívoca, a sua capacidade mordaz e arguta de nos gritar através de versos pujantes e certeiros, escrita simples mas nunca simplória, “papo reto” como ele fala, torna a sua poesia uma espécie de irmão mais velho que nos alerta sobre o absurdo que é o mundo.

Maria.jpg

Maria Fernanda Barufi
IG: olho_depombo

"O Grito" é uma obra poética atemporal. Ela demonstra o lado mais político de uma sociedade e a desconstrói com uma beleza única, leal e ainda sim, verídica. Mostra que a arte pode sim englobar, abordar certas temáticas sem perder o que há de belo. O poeta carioca nos mostra a alienação de um povo que gira em torno de TV, sexo e muito futebol. Belíssimo trabalho! Indico fortemente para todos os públicos!

Leo.jpg

Leo Bruno
IG:leobrunooo_

Se O Grito foi idealizado dando vozes ao que ou a quem não possui uma ativa, certamente os feitos expressos em suas linhas se concretizam em teoria, e que para acontecer na prática precisa somente de um vôo das palavras, deixando o cotidiano mais consciente, mais belo, mais poético - o qual, visito pelas portáteis telas coloridas e fisicamente, pelas páginas do livro, pousam de qualquer modo como presença do Senhor borboleta das letras, o querido Alan.

Fernando.jpg

Fernando Jaepelt
IG: caionopoema

Um grito embrionário, representação da parcela adolescente, punk rocker e social do poeta filosófico Alan Figueiredo.

Screenshot_20210923-135639_Instagram.jpg

Brunno Barbosa
IG: poesiabrunno

Não se enganem, no silêncio Alan Figueiredo grita, o verbo-borboleta voa conjugando a poética banal do cotidiano e o poeta ecoa sutilmente reflexões marco-aurealianas necessárias em tempos de pão com ovo e circo

Ramalho.jpg

João Vicente Ramalho
IG: eodramalho

Vai bem de encontro com nossos tempos. De fato fica um grito entalado na garganta e cada página é um berro.

bottom of page